O que fazer e o que não fazer ao visitar um recém nascido

Posted on

Parece básico falar sobre isso, mas muita gente esquece dessas gentilezas ao visitar o bebê e a mãe.

1. Não apareça de surpresa

Não tem nada pior do que uma recém mãe receber uma visita inesperada. Só quem já foi mãe sabe o caos que é ter um recém nascido em casa. São noites sem dormir, banho sem tomar, dentes sem escovar, casa bagunçada, cabelo embaraçado e mil coisa que só as mães passam. Ninguém quem receber visitas nessa condições. Mães também querem ter o mínimo de dignidade para receber as pessoas e isso leva tempo e planejamento com um bebê em casa. Muitas vezes a rotina é tão cansativa que não temos disposição de receber ninguém, por isso, sempre ligue antes para a mãe, combine um dia e horário para visitar ela é o bebê. Lembre-se de fazer uma visita rápida e evite horários do almoço, fim de tarde e noite, que geralmente comprometem a rotina do bebê.

Pergunte também se a mãe prefere visitas em casa ou na maternidade. Eu, particularmente, preferia na maternidade, porque achava que o caos em casa era maior, mas há mães que pensam contrário.

Respeite a mãe e entenda com respeito também se ela disser que aquele dia ou momento não é bom para visitas. Tenha empatia!

2. Não tire do berço

Nunca, em hipótese nenhuma tire o bebê do berço sem a autorização da mãe e jamais pegue-o no colo sem que a mãe autorize. Bebês são frágeis e mães são leoas, por isso, não mexa com suas crias.

Eu me lembro que na maternidade, com meu primeiro filho, tinha acabado de colocar o bebê dormindo no berço depois de uma longa noite sem dormir. Fui no banheiro e uma das visitas, simplesmente tirou o bebê do berço. Minha vontade era voar no pescoço, mas mantive a elegância rangendo os dentes até que consegui pegar o bebê de volta. Provavelmente, se a pessoa tivesse perguntado se poderia pegar no colo eu não negaria, mas tirar o bebê sem o meu consentimento me deixou furiosa. Sem falar que, obviamente o bebê acordou e eu tive o trabalho dobrado para fazê-lo dormir novamente.

3. Não descuide na higiene

Bebês são frágeis, acabaram de vir ao mundo e não tem imunidade suficiente para lidar com falta de higiene e bactérias. Ao visitar o recém nascido, lave sempre as mãos, independente de pegar o bebê no colo ou não, use álcool gel e etc. não custa previnir e manter a boa saúde do bebê.

4. Não beije as mãos os bochechas do bebê

Essas partes são sensíveis e mais propensas a atrair bactérias e vírus. As mãozinhas o bebê sempre coloca na boca, então são pontos de contato muito fortes.

5. Não atrapalhe a hora de mamar

A hora da amamentação é sagrada. É um momento de contato único entre mãe e bebê, que precisam se acostumar um ao outro, criar vínculo, ter paz e tranquilidade para que a “pega” do bebê saia corretamente, ele seja eficiente na amamentação e não machuque a mãe. Esse é um momento delicado e no qual outras pessoas atrapalham. Sem falar que, muitas vezes, por mais natural que a amamentação seja, a mãe não se sente confortável de se expor na frente de outras pessoas e isso deve ser respeitado.

6. Não tire fotos se a mãe não permitir

Você é a mãe, o pai ou o responsável legal pela criança? Não? Então não tire fotos. Simples assim. Muito menos compartilhe por WhatsApp ou qualquer outro canal. Se o filho não é seu, não o exponha, nem a criança e nem os pais. Você simplesmente não tem esse direito, além de ser falta de educação. A imagem das crianças é protegida por lei é somente os pais tem o direito de exposição. Não importa se você é tio, tia, amigo da família, avó, avô, padrinho, qualquer coisa. Simplesmente entenda que não é seu direito expor o filho alheio. Hoje, um simples post com a foto de uma criança pode viralizar ou ser exposto para pessoas que não são do relacionamento dos pais do bebê, podem cair em mãos indevidas. Não mande também por WhatsApp e mensagens essas fotos, não importa para quem seja, para a família ou um grupo pequeno de amigos,  pois os pais não tem o controle. A exposição da criança é um direito único e exclusivo da mãe e do pai, goste você ou não.

Eu já tive péssimas experiências com esse compartilhamento indevido de fotos. No meu próprio parto me senti completamente exposta ao perceber que eu mal tinha visto a cara do meu bebê e já circulava nos grupos todo tipo de fotos minhas e do meu bebê, que eu jamais teria dado autorização para serem enviadas, se tivessem me perguntado. O parto é um momento único e delicado e eu fui a última a ver tudo o que estava sendo exposto de mim e dos meus filhos. Me senti invadida e completamente desrespeitada. Sei que não há má intenção, na maioria das vezes, mas também não há respeito. Sempre deve ser perguntado para a mãe se ela autoriza tirar qualquer foto do filho, postar ou compartilhar com qualquer pessoa. E se a mãe, disse que não, simplesmente respeite. Você não tem direitos sobre o filho dela.

7. Segure conselhos e palpites

É simplesmente um horror a avalanche de palpites que a mãe recebe em relação a ela mesmo, ao bebê e aos cuidados com ele. Esses palpites vem de todos os lados, muitas vezes até de pessoas que nunca te viram na vida.

Lembro-me de passear na rua com meu filho mais velho e todos os dias tinha gente de todo tipo, conhecidos, família, gente que eu nunca havia visto, palpitando que era ruim/bom usar o sling, que o bebê estava com frio/calor, que “no meu tempo a gente fazia assim…”. Eu fazia cara de “alface”, entrava por um ouvido e saia pelo outro, mas mesmo assim eu sempre me perguntava o quanto as pessoas conseguem ser inconvenientes. E, para o meu desespero, quando achava que já tinha ouvido de tudo, as pessoas me surpreendiam.

Palpites e conselhos são bons quando solicitado. Se não forem solicitados pela mãe, simplesmente cale-se e dê a esta mulher que acaba de se tornar mãe, o direito de viver a própria maternidade como ela julgar melhor.

8. Não fume e não use perfume

Acho que nem preciso comentar esse tópico, né?

9. Não vá se estiver doente

Simplesmente não vá visitar mãe e bebê se estiver doente. Não importa de se é gripe, conjuntivite, dor de estômago, ebola, o que quer que seja, simplesmente espere passar sua doença ou mal estar. Você se sentirá melhor e certamente mãe e bebê ficarão mais seguros.

Essas são regras básicas, mas muita gente se esquece delas, não se importa ou finge mesmo não conhecer.

Na dúvida, lembre-se sempre de perguntar à mãe o que fazer. Ela é a principal responsável pelo bebê e sua segurança. Na ausência da mãe, vale perguntar ao pai ou ao representante legal da criança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *